Dividendos, FIIs, declaração simplificada. O que pode mudar para você com a reforma tributária.

Ainda é cedo para analisarmos todos os impactos que o texto original da reforma tributária pode trazer a nós FIREEs e aos FIREs e investidores brasileiros. Praticamente nunca aconteceu de um texto original apresentado ser aprovado nas duas casas legislativas sem mudanças, e certamente isto não acontecerá em uma matéria de extrema importância como esta, então vamos ficar de olho e iniciar as discussões mas tendo em mente que isto é só o esboço inicial de algo que será muito alterado.

Este texto abaixo, extraído diretamente do site da Câmara, traz um resumão dos principais pontos apresentados. As partes sublinhadas são as mais importantes até agora. Ao final, a apresentação original do governo para você baixar.

A segunda fase da reforma tributária apresentada pelo Poder Executivo propõe mudanças no Imposto de Renda para pessoas físicas, empresas e investimentos financeiros. Somente com a atualização da tabela do IR, que reajusta a faixa de isenção de R$ 1.903,98 para R$ 2.500 mensais, o governo estima que o número de pessoas isentas aumentará em 5,6 milhões, passando de 10,7 milhões para 16,3 milhões. Ou seja, metade dos atuais declarantes, que somam 31 milhões de pessoas. O ministro da Economia, Paulo Guedes, entregou a proposta nesta sexta-feira ao presidente da Câmara, Arthur Lira.

Considerando todo o projeto, que traz medidas que levam a ganhos e perdas de receita, o governo espera um aumento de arrecadação de R$ 900 milhões em 2022, R$ 330 milhões em 2023. R$ 590 milhões em 2024.

Declaração simplificada
Entre as iniciativas para aumentar a arrecadação, a proposta do Executivo vai limitar a opção de declaração simplificada, que permite desconto de 20% no IRPF. A declaração simplificada será mantida apenas a quem recebe até R$ 40 mil por ano. O governo espera que a medida estimule o contribuinte a pedir notas fiscais para obter descontos na declaração completa. Com o fim do desconto simplificado, o Ministério da Economia projeta um aumento de arrecadação de R$ 9,98 bilhões somente em 2022, chegando a R$ 11,48 bilhões em 2024.

“O desconto simplificado foi uma alternativa criada na época em que a declaração era apresentada no papel. Ao longo do tempo, com a evolução tecnológica, a preparação foi bastante facilitada com declarações pré-preenchidas. Estamos focando a opção da simplificação para as faixas salariais menores, que continuarão usufruindo do limite de isenção. Contribuintes acima dessas faixas poderão utilizar as deduções existentes sem qualquer alteração”, explica o secretário da Receita.

O secretário também observou que, apesar de a declaração simplificada hoje não ter limite de renda, há um teto de R$ 16 mil para uso do desconto.

Imóveis
A proposta também permite a atualização do valor dos imóveis declarados. Atualmente, os imóveis são mantidos pelo valor original, e o cidadão precisa pagar entre 15% e 22,5% de imposto sobre o ganho de capital. Os proprietários poderão atualizar os valores patrimoniais com incidência de apenas 5% de imposto sobre a diferença. O prazo para adesão e pagamento do imposto será de janeiro a abril de 2022.

Tostes Neto observou que a tributação favorecida é uma opção do contribuinte. Segundo ele, a medida pode favorecer quem tem situações específicas, como a realização de inventário e heranças decorrentes de sucessão.

Lucros e dividendos
A proposta ainda muda a distribuição de lucros e dividendos para pessoas físicas, que atualmente são isentas. Haverá tributação de 20% na fonte. Microempresas e empresas de pequeno porte serão isentas para lucros e dividendos de até R$ 20 mil por mês (mas não inclui pessoas físicas neste limite.)

Segundo o governo, a mudança nas regras vai combater a distribuição disfarçada de lucros e desestimular que profissionais usem empresas para evitar o pagamento de impostos. “A não distribuição dos lucros tem criado distorções ao longo do tempo. Há percepção de tratamento injusto e estímulo a um desvio chamado de ‘pejotização’, a transformação em PJ de atividades de renda natural de pessoa física”, disse.  Segundo o secretário, a proposta proporciona condições iguais para renda do trabalho assalariado contra lucros e dividendos.

Com a mudança nos lucros e dividendos, o governo espera aumentar a arrecadação em R$ 18,53 bilhões em 2022, R$ 54,9 bilhões em 2023 e R$ 58,15 bilhões em 2024.

Empresas
A alíquota geral do Imposto de Renda para Pessoas Jurídicas (IRPJ) será reduzida dos atuais 15% para 12,5%, em 2022, e 10%, a partir de 2023. O adicional de 10% para lucros acima de R$ 20 mil por mês permanece. “A ideia principal é reduzir a tributação das empresas para aumentar competitividade e geração de postos de trabalho. Com a redução da alíquota, o Brasil se aproxima da média da tributação dos países da OCDE”, observou o subsecretário de Tributação e Contencioso, Sandro de Vargas Serpa.

A proposta também muda a remuneração de executivos com bônus em ações. Pagamentos de gratificações e participação nos resultados aos sócios e dirigentes feitos com ações da empresa não poderão ser deduzidos como despesas operacionais. “As empresas poderão continuar com gratificações por resultado para empregados. Continua sendo deduzida, mas para dirigentes e sócios não será permitido. O sistema de tributação fica mais justo, pois só empregados terão dedução. Sócios e dirigentes têm outras formas de ganho direto e de receber da empresa, que estamos revisando. Empregado só tem o salário e participação na empresa”, afirmou Serpa.

Também não será mais permitido deduzir juros sobre o capital próprio. O governo justifica a mudança por avaliar que, na época em que a dedução foi criada, era mais difícil ter acesso a crédito e as empresas precisavam se autofinanciar com recursos dos sócios. “Isso foi criado quando tinha inflação galopante e juros altos. O objetivo se perdeu porque o mercado de crédito está mais evoluído, os juros de hoje nem se comparam com os da época. Não é mais necessário dar este benefício para os empresários. Apesar de popular, a medida se tornou ineficaz para garantir o investimento das empresas”, disse Serpa.

Reorganização e alienações
Também há novas regras para a reorganização de empresas e tributação do ganho de capital na venda de participações societárias. O Ministério da Economia avalia que as reorganizações empresariais são, muitas vezes, utilizadas como forma para pagar menos impostos, e a medida visa evitar abusos e deduções indevidas. “Isso evita abusos que estão gerando contencioso”, apontou Serpa.

Alinhando a legislação ao padrão internacional, mudam as regras para apuração do ganho de capital em alienações indiretas de ativos no Brasil por empresas no exterior. O governo quer evitar o uso de uma empresa intermediária na venda de ativos para pagar menos imposto.

Apuração e simplificação
A proposta ainda apresenta mudanças na apuração do IRPJ e CSSL, que passará a ser somente trimestral. Hoje, há duas opções: trimestral e anual. Empresas com tributação anual precisam apurar e pagar estimativas mensalmente. De acordo com a proposta, será permitido compensar 100% do prejuízo de um trimestre nos três seguintes. “As estimativas mensais dão muito trabalho para as empresas e podem gerar dificuldade de caixa por causa da sazonalidade. A apuração trimestral vai dar reforço de caixa para as empresas”, afirmou Serpa.

Além de uniformizar os regimes de tributação das empresas, a proposta simplifica e aproxima as bases de cálculo de IRPJ e CSLL. “Hoje, uma empresa precisa ter dois registros muito diferentes para apurar tributos com bases semelhantes. Isso é custo para as empresas”, observa Serpa.

Investimentos financeiros


A proposta também simplifica a tributação de IR em operações em Bolsa de Valores, cuja apuração passa a ser trimestral no lugar de mensal. A expectativa é que o prazo alongado melhore a capacidade financeira de investidores. A proposta ainda acaba com a diferença de alíquotas de acordo com o título negociado. Atualmente, as alíquotas são de 15%, para mercados à vista, à termo, de opções e de futuros, e de 20%, para day trade e cotas de FII. Com a mudança, a alíquota será de 15% para todos os mercados.

Os ativos de renda fixa (Tesouro Direto e CDB) terão a mesma alíquota única de 15%. A proposta acaba com o atual escalonamento em que a alíquota varia de acordo com o tempo de duração da aplicação, entre 22,5%, para investimentos de até 180 dias, a 15%, para aplicações acima de 720 dias. “A tributação não pode induzir o tempo de aplicação do investidor. Tem que ser a natureza do título. A alíquota tem que ser neutra. Hoje as pessoas que mais precisam do dinheiro e podem ter apenas curto prazo são prejudicados. quem tem condição de deixar o dinheiro por anos é beneficiado”, defende o coordenador-geral de Tributação, Fernando Mombelli.

Fundos abertos terão alíquota única de 15%, também acabando com o escalonamento de 22,5% a 15% em função da duração da aplicação. Outra medida para esses fundos é o fim do “come-cotas” de maio, mantendo apenas o de novembro. Os rendimentos produzidos até 31 de dezembro de 2021 serão tributados pela alíquota vigente nesta data.

Fundos fechados (multimercados) terão alíquota única de 15% e mesmo tratamento dos fundos abertos para “come-cotas”, com pagamento em novembro. “Há poucos investidores de recursos bilionários nestes fundos. Pela distorção, não pagam antecipação. Com a reforma, esses fundos exclusivos passam a pagar como os demais”, compara Mombelli.

A proposta acaba com a isenção sobre rendimentos distribuídos a pessoa física de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) com cotas negociadas em bolsa a partir de 2022. A tributação dos demais cotistas cai de 20% para 15% na distribuição de rendimentos, na amortização e na alienação de cotas. “Muitos desses fundos geram rendimentos de aluguéis que são isentos. Para pessoa física teria tributação na tabela normal”, observa o coordenador-geral de Tributação.

Fonte: Francisco Brandão – Agência Câmara de Notícias

Apresentação da Proposta na íntegra abaixo

E você, o que achou do texto inicial? Comente abaixo:

6 thoughts on “Dividendos, FIIs, declaração simplificada. O que pode mudar para você com a reforma tributária.

  1. É AA40…Sexta-feira agitada na Finansfera. Como você disse, com certeza ainda vai mudar muita a proposta até ser realmente aprovada… Em momentos como esse é que temos que lembrar “venda ao som de trombetas e compre aos som de canhões”. Normalmente más notícias são na verdade oportunidades…
    Como colaboração, sugiro falar também sobre o que muda para investimentos no exterior…A maior parte das avaliações que li sugerem também o fim da isenção de R$35k/mês pra venda…
    Grande abraço!
    VVI – vvibr.blogspot.com

    1. Sim VVI, bastante. Esta reforma já estava anunciada a muito tempo, bem como a taxação de dividendos, FIIs e tudo mais. Se estendessem esta isenção de R$20k (corrigidos) para pessoas físicas também acho que não ficaria de todo mal, mas dificilmente farão isso.
      Quanto aos 35k no exterior, na proposta não há qualquer referência a ela então acho que não adianta discutirmos muito sobre isso antes de sabermos o que os deputados colocarão acerca disto no texto. Mas é possível sim que estas isenções sejam extintas, infelizmente Vamos acompanhar os próximos capítulos.
      Abcs AA40

  2. Já gastaram o 1 tri da reforma da previdência em menos de 1 ano depois da aprovação dando esmola pro povão com a desculpa da pandemia.
    Os recursos arrecadados com esta reforma aí certamente desaparecerão pelos ralos do governo antes mesmo da aprovação. Ah e uma vez que tributam, NUNCA mais voltará a ser desonerado como sabemos. Mais uma do “anti-rentista” que quer nivelar todo mundo por baixo.

    1. Pelo texto original sim anon, não haveria qualquer isenção para pessoa física. Qualquer operação na bolsa, inclusive para FIIs, o IR será de 15% (e não mais de 20% como é hoje para Daytrade e FIIs) como está na página 19 do PDF do projeto original.
      Mas isso deverá ter várias alterações na câmara e senado ainda. Vamos aguardar. Abcs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Por favor atualizem seus blogrolls com o novo feed rss do AA40: https://aposenteaos40.org/feed

  1. Will the Delta Variant Cause a New Recession?
    Millennial-Revolution 26/Jul/2021
  2. A pirâmide dos investimentos – Como construir uma carteira resiliente
    Como Investir no Exterior 26/Jul/2021
  3. Por que não ter FIIs na carteira?
    Investidor Ingles 26/Jul/2021
  4. 335 | In a World Where You Can Do Anything, Why Do We Always Do the Same Thing?
    ChooseFI 26/Jul/2021
  5. Three Months of Slacking
    Mister Money Mustache 25/Jul/2021
  6. As Olimpíadas afetam a bolsa de valores?
    Poupador do Interior 25/Jul/2021
  7. Perrenges/Estórias Engraçadas de Viagem - Parte 1
    VVI 25/Jul/2021
  8. #50 – Relembrando um pouco as origens
    Papo TR 25/Jul/2021
  9. Não adianta poupar tudo hoje, se você não puder gastar amanhã
    Viver Sem Pressa 25/Jul/2021
  10. Resumo da semana (23/07/21)
    Viagem Lenta 23/Jul/2021
  11. Acompanhe minha nova coluna na Revista Manutenção Predial
    Vida Rica 23/Jul/2021
  12. Ep71 | Entenda o Bitcoin de uma vez por todas. (Guia definitivo para iniciantes)
    SRIF365 21/Jul/2021
  13. Proventos Recebidos - Junho de 2021
    Cowboy Investidor 21/Jul/2021
  14. Sociedade da pressa
    Simplicidade e Harmonia 20/Jul/2021
  15. Award Travel Series: Avoiding Rookie Mistakes
    Go Curry Cracker 19/Jul/2021
  16. Transformação ao longo do caminho para IF
    Independencia financeira ou Morte 18/Jul/2021
  17. Primeiras impressões do mundo corporativo pós-sabático
    Quero virar Vagabundo 18/Jul/2021
  18. Guaraná zero
    Aposente Cedo 18/Jul/2021
  19. Reconsiderações sobre o post anterior
    Frugal Simples 18/Jul/2021
  20. Uber Adventures no Canada – “Fui estupr@da”
    Além da Poupança 16/Jul/2021
  21. June 2021 Early Retirement Update – USA Road Trip Edition
    Root of Good 08/Jul/2021
  22. Vendendo meu Software de Acompanhamento de Investimentos – Capítulo 1
    Acumulador Compulsivo 06/Jul/2021
  23. Valor Atual da Carteira HEAVY METAL - Julho de 2021 (D.C.)
    Heavy Metal 05/Jul/2021
  24. Os primeiros 100 mil são a metade do primeiro milhão!?
    Ifologia Pop 05/Jul/2021
  25. Atualização Mensal: Junho 2021: R$23.769.623,79
    VR 05/Jul/2021

Blogroll completo | Diretório da Firesfera | Pedir para entrar no Roll